A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas lamenta o falecimento, nesta quinta-feira, da arquiteta e urbanista e paisagista Alda Rabello Cunha, aos 92 anos. Alda foi pioneira na construção de Brasília, onde chegou antes mesmo da inauguração da capital federal, onde realizou diversos projetos de integração paisagística para Oscar Niemeyer e João Filgueiras Lima, o The post FNA lamenta o falecimento da arquiteta e urbanista Alda Rabello cunha appeared first on FNA.Read More

A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas lamenta o falecimento, nesta quinta-feira, da arquiteta e urbanista e paisagista Alda Rabello Cunha, aos 92 anos.

Alda foi pioneira na construção de Brasília, onde chegou antes mesmo da inauguração da capital federal, onde realizou diversos projetos de integração paisagística para Oscar Niemeyer e João Filgueiras Lima, o Lelé, seu companheiro por mais de 50 anos.

A arquiteta e urbanista foi servidora pública quase a vida toda. O primeiro cargo foi no Grupo de Trabalho de Brasília, do antigo Departamento Administrativo do Serviço Público, ainda no Rio. “Era a equipe que preparava os complementos da cidade, como é que se iria ocupar Brasília, que estava em construção. Fiquei encarregada de pensar e desenhar os padrões para o mobiliário, que precisava ficar pronto em sete meses.”, contou em entrevista dada ao CAU/BR em 2015, parte de uma série em homenagem às arquitetas na passagem do Dia da Mulher.

A profissional contou ter inovado ao propor o julgamento em duas fases para a confecção dos móveis – uma de preço e uma de projeto. E mostra o sofá em que estamos sentados, pensado por ela naquela época. “Não é ruim, não é extravagante. É funcional. E foi o possível”.

Como funcionária do Ministério da Agricultura se dedicou à arquitetura paisagística, tendo realizado projetos de integração paisagística para Oscar Niemeyer – os CIEP, no RJ, a Catedral de Brasília, entre outros – e incontáveis obras de Lelé.

Com Lelé, Alda teve três filhas: Luciana, Sônia e a arquiteta e urbanista Adriana Rabello Filgueiras Lima. Deixa os netos João, Gustavo e Paulo.

*Com informações do CAU/BR

The post FNA lamenta o falecimento da arquiteta e urbanista Alda Rabello cunha appeared first on FNA.

FNA
0

Nichos para banheiro. Esse foi o assunto que deu vida ao primeiro vídeo no YouTube da arquiteta e urbanista paulista Patricia Pomerantzeff, 38 anos, em 2017. Buscando conteúdos on-line sobre a profissão e não os encontrando na linguagem em que gostaria, ela venceu a timidez e foi para a frente das câmeras falar sobre temas The post Da obra para o YouTube appeared first on FNA.Read More

Nichos para banheiro. Esse foi o assunto que deu vida ao primeiro vídeo no YouTube da arquiteta e urbanista paulista Patricia Pomerantzeff, 38 anos, em 2017. Buscando conteúdos on-line sobre a profissão e não os encontrando na linguagem em que gostaria, ela venceu a timidez e foi para a frente das câmeras falar sobre temas que amava. Assim, a profissional iniciou a jornada do canal Doma Arquitetura, que atualmente tem 943 mil inscritos, além do perfil no Instagram (@domaarquitetura), que soma mais de 670 mil seguidores. Os números conferem a ela o título de maior canal sobre Arquitetura do Brasil.

Formada em Arquitetura e Urbanismo desde 2006 pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Patricia carrega em si uma forte veia artística, impulsionada por sua graduação em Artes Plásticas pela Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), em 2004. A junção das duas formações proporcionam à arquiteta um olhar diferenciado na hora de desenvolver projetos e de produzir conteúdos para a internet. “Nas Artes, sempre gostei de testar a plasticidade dos materiais e descobri que, na Arquitetura, há um universo gigantesco a se explorar. Cada vez que se aprofunda mais nos materiais, você percebe que tem mais para aprender”, pontua. Uma paixão que é comprovada ao olhar o perfil no Instagram de Patricia, que sempre conta com uma dica recente de marcas de revestimentos elegantes ou de pisos funcionais.

Ao relembrar sua investida com os vídeos, Patricia conta sobre a ajuda que recebeu do marido, Pedro Andrade, no início da jornada pela internet. “Gravei um vídeo, morrendo de vergonha, e deixei na gaveta por seis meses. Gravei outro e outro. Aí, o marido disse: “não, vamos lá”. Tomei coragem de postar, me achando ridícula”, lembra. Nos comentários da primeira gravação, a arquiteta notou que as pessoas perguntavam sobre temas que ela não tinha a resposta “na ponta da língua”. “Eu precisei estudar para poder responder, e isso é muito maravilhoso. Os comentários e as perguntas faziam ter assuntos para novos vídeos”.

Ao mesmo tempo, a arquiteta e urbanista, que já é considerada influenciadora digital, afirma ser apaixonada pelo dia a dia da obra. “Acredito muito que a gente só consegue fazer um detalhe de um projeto bem feito se sabe como funciona na obra. Não sei como é ser arquiteto só de escritório porque eu nunca fui”, declara. Por isso, ao estar sempre presente na evolução dos projetos, não é raro ver Patricia sozinha em meio às obras, com um tripé e uma câmera a tiracolo, gravando detalhes para os seguidores. Ela assegura que, além das fotos em família, o que mais gera engajamentos no seu perfil são as fotos simples, tiradas num instante, com o celular. “Aquela história de ficar esperando a obra ficar pronta, com sofá, parecendo capa de revista… Não precisa. As pessoas não querem ver isso. Elas têm outros lugares para buscar fotos perfeitas”, sugere.

 

À frente do escritório Doma Arquitetura, de São Paulo (SP), inaugurado em 2007, Patricia conta com um time de 12 pessoas. Com cerca de 45 trabalhos sendo feitos simultaneamente, o escritório também desenvolve projetos a distância. “Na pandemia, o escritório não parou. Contratei três novas pessoas”, celebra. Além disso, como ficou impossibilitada de visitar as obras por três meses, para não deixar o canal do YouTube sem conteúdos novos, ela investiu em um chroma-key (tela verde), onde gravou vídeos mostrando os desenhos dos projetos.

Como dica para quem está saindo da faculdade de Arquitetura e Urbanismo e iniciando uma carreira, ela é categórica: não escolha projetos. “Eu nunca escolhi projetos. Aparecia, eu pegava. Aceitar os desafios vai te amadurecer, fazer com que você conviva com pessoas diferentes, estilos diferentes. Sair da zona de conforto é muito enriquecedor”, ressalta. Para contratar a Doma, é necessário enviar um e-mail pedindo informações para: projeto@domaarquitetura.com.br.

The post Da obra para o YouTube appeared first on FNA.

FNA
0